Me acompanhe pelo e-mail

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Sexo, só depois do casamento...

Sexo só depois do casamento
A Mobilizando o Brasil, uma ONG sem vínculos denominacionais promove uma mobilização bastante relevante para os dias atuais, trata-se do movimento Eu Escolhi Esperar que encoraja jovens solteiros a ter relações sexuais somente depois do casamento.
A MOB trabalha com este tema há mais de 20 anos, promovendo acampamentos, cultos e seminários sobre esse e outros temas relevantes para adolescentes e jovens.
Esses encontros geralmente são ministrados pelo pastor Nelson Júnior, que também é teólogo e um dos coordenadores da Mobilização Eu Escolhi Esperar, além desse tema o pastor também trabalha outros projetos como “Amigos do Noivo”, “Pureza e Santidade”, “Adoração e Intercessão” entre outros.
Na última segunda-feira, 20, a MOB realizou uma Twitcam (transmissão de vídeo ao vivo pelo Twitter) do quadro chamado #PapoAberto, um programa web que fala exclusivamente sobre amor, relacionamentos, sexo, namoro, corte, noivado e etc. A transmissão começou por volta das 21h e logo a hashtag #EuEscolhiEsperar chegou ao topo dos assuntos mais comentados no microblog.
O programa teve a participação especial do cantor e compositor Marcos Almeida, da banda Palavrantiga que possuí uma música chamada “Esperar é caminhar”.
Entre mensagens de gozação e chacotas, muitos internautas se manifestavam dizendo que optaram em participar dessa escolha de esperar até o casamento para ter relações sexuais.
Aliás, o maior objetivo da MOB é ajudar os jovens que já decidiram esperar. “Muitas pessoas já tomaram a decisão de ‘esperar no Senhor’, porém não é uma decisão fácil. E manter o compromisso para muitos se torna um fardo pesado,” disse Nelson Júnior.
Para saber mais sobre essa mobilização acesse: www.euescolhiesperar.com.

Marcos Paulo é internado em hospital no Rio

Marcos Paulo apresenta o elenco de Malhação (2008)
Marcos Paulo apresenta o elenco de "Malhação" (2008)
O ator e diretor de núcleo de produção da Globo Marcos Paulo, de 60 anos, está internado na Clínica São Vicente, na Gávea, zona sul do Rio. A informação foi confirmada na manhã desta quarta (29) pela assessoria de imprensa do hospital. A pedido da família, a assessoria não disse o motivo da internação nem mesmo quando ela aconteceu.
Em maio, Marcos descobriu um tumor maligno no esôfago durante um exame de rotina. Após o diagnóstico, ele contou à revista “Contigo!" que teve de começar a fazer quimio e radioterapia.
Fonte: Uol

Senadora Marta Suplicy disfarçará PLC 122 mudando nome e número para facilitar aprovação

Senadora Marta Suplicy disfarçará PLC 122 mudando nome e número para facilitar aprovação
A senadora Marta Suplicy disse neste domingo, antes do início da Parada do Orgulho LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais) em São Paulo, que algumas mudanças devem ser feitas no Projeto de Lei (PL) 122, que criminaliza a homofobia. Segundo ela, a ideia é repensar o nome do projeto para fazer com que seu conteúdo seja aprovado.
“Estou tentando fazer um acerto para que não tenhamos tantos opositores ao projeto, mesmo que isso acarrete em algumas mudanças que não são boas. Estamos pensando em como fazer passar o conteúdo do PL 122, sem o número 122″, disse.
Segundo a senadora, a mudança do nome ajudaria a tirar a “imagem demonizada” que foi associada ao projeto. “O nome ficou muito complicado de se aprovar, o que, no conteúdo, não é mais complicado. Temos um conteúdo mais ou menos acordado. O que está difícil de acordar é o que fazemos com esse número, porque demonizaram tanto que eles não sabem o que fazer agora para dizer que o demônio não é mais demônio”, declarou Marta Suplicy, referindo-se aos opositores do projeto. No conteúdo, a senadora explicou que a principal mudança prevista será no texto do Artigo 20 do PL. “Antes era bem complexo. Conseguimos um meio termo”, disse.
Para que o projeto seja aprovado, ela acredita que a luta não deve se concentrar na tentativa de convencer a bancada religiosa a mudar suas convicções, mas em atrair uma parte do Congresso Nacional que ainda não se manifestou sobre o PL 122. “É essa parcela do Congresso Nacional que tem que ser conquistada”. A aprovação do projeto de lei é o principal tema da 15ª Parada do Orgulho LGBT que ocorreu hoje na avenida Paulista, em São Paulo.
Fonte: Terra

Colunista da Folha de São Paulo causa polêmica ao comparar a Marcha Para Jesus com a Parada Gay

Colunista da Folha de São Paulo causa polêmica ao comparar a Marcha Para Jesus com a Parada Gay
O colunista da Folha de São Paulo, Revista Veja e da Rádio CBN, Gilberto Dimenstein, causou polêmica nesta semana ao escrever em seu blog o texto “São Paulo é mais gay ou evangélica?”. Na análise, o jornalista argumenta que “os gays usam a alegria para falar e se manifestar”, enquanto “a parada evangélica tem um ranço um tanto raivoso, já que, em meio à sua pregação, faz ataques a diversos segmentos da sociedade”.
Dimenstein foi criticado por outro conhecido colunista da Revista Veja, Reinaldo Azevedo, que em seu blog classificou o texto como “tolo”, “burro”, “falacioso” e “preconceituoso”, rebatendo, linha por linha, todas as afirmações contidas no artigo de Gilberto Dimenstein. “Há uma diferença que a estupidez do texto de Dimenstein não considera: são os militantes gays que querem mandar os evangélicos para a cadeia, não o contrário”, argumenta Azevedo.
Abaixo você confere a íntegra do artigo de Gilberto Dimenstein:
Como considero a diversidade o ponto mais interessante da cidade de São Paulo, gosto da ideia de termos, tão próximas, as paradas gay e evangélica tomando as ruas pacificamente. Tão próximas no tempo e no espaço, elas têm diferenças brutais.
Os gays não querem tirar o direito dos evangélicos (nem de ninguém) de serem respeitados. Já a parada evangélica não respeita os direitos dos gays (o que, vamos reconhecer, é um direito deles). Ou seja, quer uma sociedade com menos direitos e menos diversidade.
Os gays usam a alegria para falar e se manifestar. A parada evangélica tem um ranço um tanto raivoso, já que, em meio à sua pregação, faz ataques a diversos segmentos da sociedade. Nesse ano, um do seus focos foi o STF.
Por trás da parada gay, não há esquemas políticos nem partidários. Na parada evangélica há uma relação que mistura religião com eleições, basta ver o número de políticos no desfile em posição de liderança. Isso para não falar de muitos personagens que, se não têm contas a acertas com Deus, certamente têm com a Justiça dos mortais, acusados de fraudes financeiras.
Nada contra –muito pelo contrário– o direito dos evangélicos terem seu direito de se manifestarem. Mas prefiro a alegria dos gays que querem que todos sejam alegres. Inclusive os evangélicos.
Civilidade é a diversidade. São Paulo, portanto, é mais gay do que evangélica.
Abaixo agora a resposta de Reinaldo Azevedo comentando em chaves o texto do colunista da Folha:
Gilberto Dimenstein, para manter a tradição — a seu modo, é um conservador, com sua mania de jamais surpreender — , resolveu dar mais uma contribuição notável ao equívoco ao escrever hoje na Folha Online sobre a Marcha para Jesus e sobre a parada gay.
São Paulo é mais gay ou evangélica?
{Sem qualquer investimento voluntário na polissemia, é um texto tolo de cabo a rabo; do título à última linha. São Paulo nem é “mais gay” nem é “mais evangélica”. Fizesse tal consideração sentido, a cidade é “mais heterossexual” e “mais católica”, porque são essas as maiorias, embora não-militantes. Ora, se a diversidade é um dos aspectos positivos da cidade, como sustenta o articulista, é irrelevante saber se a cidade é “mais isso” ou “mais aquilo”, até porque não se trata de categorias excludentes. Se número servisse para determinar o “ser” da cidade — e Dimenstein recorre ao verbo “ser” —, IBGE e Datafolha mostram que os cristãos, no Brasil, ultrapassam os 90%.}
Como considero a diversidade o ponto mais interessante da cidade de São Paulo, gosto da idéia de termos, tão próximas, as paradas gay e evangélica tomando as ruas pacificamente. Tão próximas no tempo e no espaço, elas têm diferenças brutais.
{Nessas poucas linhas, o articulista quer afastar a suspeita de que seja preconceituoso. Está, vamos dizer assim, preparando o bote. Vamos ver.}
Os gays não querem tirar o direito dos evangélicos (nem de ninguém) de serem respeitados. Já a parada evangélica não respeita os direitos dos gays (o que, vamos reconhecer, é um direito deles). Ou seja, quer uma sociedade com menos direitos e menos diversidade.
{Está tudo errado! Pra começo de conversa, que história é essa de que “é um direito” dos evangélicos “não respeitar” os direitos dos gays? Isso é uma boçalidade! Nenhum evangélico reivindica o “direito” de “desrespeitar direitos” alheios. A frase é marota porque embute uma acusação, como se evangélicos reivindicassem o “direito” de desrespeitar os outros.}
{Agora vamos ver quem quer tirar o direito de quem. O tal PLC 122, por exemplo, pretende retirar dos evangélicos — ou, mais amplamente, dos cristãos — o direito de expressar o que suas respectivas denominações religiosas pensam sobre a prática homossexual. Vale dizer: são os militantes gays (e não todos os gays), no que concerne aos cristãos, que “reivindicam uma sociedade com menos direitos e menos diversidade”. Quer dizer que a era da afirmação das identidades proibiria cristãos, ou evangélicos propriamente, de expressar a sua? Mas Dimenstein ainda não nos ofereceu o seu pior. Vem agora.}
Os gays usam a alegria para falar e se manifestar. A parada evangélica tem um ranço um tanto raivoso, já que, em meio à sua pregação, faz ataques a diversos segmentos da sociedade. Nesse ano, um do seus focos foi o STF.
{Milhões de evangélicos se reuniram ontem nas ruas e praças, e não se viu um só incidente. A manifestação me pareceu bastante alegre, porém decorosa. Para Dimenstein, no entanto, a “alegria”, nessa falsa polarização que ele criou entre gays e evangélicos, é monopólio dos primeiros. Os segundos seriam os monopolistas do “ranço um tanto raivoso”. Ele pretende evidenciar o que diz por meio da locução conjuntiva causal “já que”, tropeçando no estilo e no fato. A marcha evangélica, diz, “faz ataques a diversos segmentos da sociedade” — neste ano, “o STF”. O democrata Gilberto Dimenstein acredita que protestar contra uma decisão da Justiça é prova de ranço e intolerância, entenderam? Os verdadeiros democratas sempre se contentam com a ordem legal como ela é. Sendo assim, por que os gays estariam, então, empenhados em mudá-la? No fim das contas, para o articulista, os gays são naturalmente progressistas, e tudo o que fizerem, pois, resulta em avanço; e os evangélicos são naturalmente reacionários, e tudo o que fizerem, pois, resulta em atraso. Que nome isso tem? PRECONCEITO!}
Por trás da parada gay, não há esquemas políticos nem partidários.
{Bem, chego a duvidar que Gilberto Dimenstein estivesse sóbrio quando escreveu essa coluna. Não há?}
Na parada evangélica há uma relação que mistura religião com eleições, basta ver o número de políticos no desfile em posição de liderança.
{Em qualquer país do mundo democrático, questões religiosas e morais se misturam ao debate eleitoral, e isso é parte do processo. Políticos também desfilam nas paradas gays, como todo mundo sabe.}
Isso para não falar de muitos personagens que, se não têm contas a acertar com Deus, certamente têm com a Justiça dos mortais, acusados de fraudes financeiras.
{Todos sabem que o PT é o grande incentivador dos movimentos gays. Como é notório, trata-se de um partido acima de qualquer suspeita, jamais envolvido em falcatruas, que pauta a sua atuação pelo mais rigoroso respeito às leis, aos bons costumes e à verdade.}
Nada contra –muito pelo contrário– o direito dos evangélicos terem seu direito de se manifestarem. Mas prefiro a alegria dos gays que querem que todos sejam alegres. Inclusive os evangélicos.
{Gilberto Dimenstein precisa estudar o emprego do infinitivo flexionado. A inculta e bela virou uma sepultura destroçada no trecho acima. Mas é pior o que ele diz do que a forma como diz. Que história é essa de “nada contra”? Sim, ele escreve um texto contra o direito de manifestação dos evangélicos. O fato de ele negar que o faça não muda a natureza do seu texto. Ora, vejam como os militantes gays são bonzinhos — querem que todos sejam alegres —, e os evangélicos são maus: pretendem tolher a livre manifestação do outro. SÓ QUE HÁ UMA DIFERENÇA QUE A ESTUPIDEZ DO TEXTO DE DIMENSTEIN NÃO CONSIDERA: SÃO OS MILITANTES GAYS QUE QUEREM MANDAR OS EVANGÉLICOS PARA A CADEIA, NÃO O CONTRÁRIO. São os movimentos gays que querem rasgar o Artigo 5º da Constituição, não os evangélicos.}
Civilidade é a diversidade. São Paulo, portanto, é mais gay do que evangélica.
{Hein??? A conclusão, obviamente, não faz o menor sentido nem decorre da argumentação. Aquele “portanto” dá a entender que o autor demonstrou uma tese. Bem, por que a conclusão de um texto sem sentido faria sentido? Termina tão burro e falacioso como começou.}
Fonte: Gospel+

terça-feira, 21 de junho de 2011

Umbanda e candomblé lutam para que proposta de obrigatoriedade do ensino religioso em escolas não seja aprovada

Umbanda e candomblé lutam para que proposta de obrigatoriedade do ensino religioso em escolas não seja aprovada
Para levar à frente a medida, a prefeitura terá de contratar 600 novos professores, o que deve causar um impacto orçamentário anual de aproximadamente R$ 12 milhões. Embora a lei determine a obrigatoriedade do ensino nas escolas públicas, a frequência será facultativa. Na Câmara Municipal o debate pega fogo.
Audiência pública realizada nesta terça-feira, 14, mostrou que além de polêmica, a lei pode aumentar as pilhas de processos que tramitam no Supremo Tribunal Federal (STF). Representantes das minorias temem o aumento do preconceito entre estudantes e suas famílias e argumentam que a proposta fere o artigo 19 da Constituição, que garante o Estado laico.
Porém, o ensino religioso também está previsto no artigo 210 da Carta Magna e conta com o respaldo do artigo 33 da lei 9.394 das Diretrizes e Bases da Educação Nacional – cujo conteúdo levou o Ministério Público Federal a entrar com uma ação de inconstitucionalidade que foi acolhida pelo STF, mas ainda aguarda parecer final.
“O ensino religioso já existe nas escolas estaduais do Rio. E nós sabemos que todas as vezes em que os segmentos mais hegemônicos entram na escola, eles começam a fazer a cabeça de alunos para entrarem nas suas religiões e perseguirem as religiões de matrizes africanas”, reclama o babalaô Ivanir dos Santos, interlocutor da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa. Ele afirma que se a pluralidade das diferentes religiões não for respeitada, irá recorrer ao STF. “Se houver cerceamento às religiões de matrizes africanas vamos recorrer ao Judiciário. Ou é para todo mundo ou não é para ninguém”.
Apresentado à Câmara no dia primeiro de abril, o projeto chegou com a recomendação de que fosse votado em caráter de urgência. Porém, depois do escândalo com a compra milionária dos automóveis Jetta para os parlamentares da Casa, os 51 vereadores optaram por não jogar lenha em mais nenhuma fogueira. Assim, foi o próprio líder do governo, Adilson Pires (PT), que retirou a proposta da pauta, para que fosse realizada uma audiência pública. Ainda não foi estabelecida nova data para a votação.
Em fevereiro, o Conselho Municipal de Educação emitiu um parecer contrário à proposta.
No projeto de lei nº 862/2011, o Prefeito Eduardo Paes explica que para cumprir “preceitos constitucional e infraconstitucional” os futuros professores de ensino religioso terão de ter como “formação mínima a licenciatura plena em Sociologia, Filosofia ou História, ou bacharelado em teologia desde que comprovada, também, licenciatura plena em outros campos específicos do conhecimento que constituam disciplinas obrigatórias do ensino fundamental”.
Representante do Conselho Nacional de Educação (CNE) no Rio de Janeiro, o professor de Sociologia da Educação da UFRJ Luiz Antônio Cunha recomendou aos edis que aguardem a formação de uma comissão intercameral, que irá estudar a questão e propor normas que orientem a oferta do ensino religioso nas escolas públicas, antes de cabalarem votos a favor ou contra o projeto.
“Pesquisas realizadas por docentes da UFRJ e da USP mostram que o ensino religioso tem sido evocado como um mecanismo de controle individual e social supostamente capaz de acalmar os indisciplinados, de conter o uso de drogas, de evitar a gravidez precoce e as doenças sexualmente transmissíveis”, afirmou Cunha, sem no entanto sinalizar com uma data para a apresentação das normas indicativas.
O vereador Paulo Messina (PV), presidente da Comissão de Educação e Cultura na Câmara de Vereadores do Rio apresentou uma emenda ao projeto. Quer que, além de opcional, o ensino religioso seja oferecido fora do horário mínimo das 800 aulas anuais de aula. “Isso limitaria a proposta a ser aplicada apenas nas escolas que oferecem horário integral o que hoje, no Rio, não passa de 200″, disse ele, que é contra o projeto.
Fonte: iG

Missionária Lana Houder e companheira pastora lésbica afirmam que pregarão a Palavra de Deus na Parada Gay

Missionária Lana Houder e companheira pastora lésbica afirmam que pregarão a Palavra de Deus na Parada Gay
Três semanas depois de inaugurar uma igreja inclusiva e voltada para acolher homossexuais no Centro de São Paulo, o casal de pastoras Lanna Holder e Rosania Rocha pretende participar da Parada Gay de São Paulo, em 26 de junho, para “evangelizar” os participantes. Estudantes de assuntos ligados à teologia e a questões sexuais, as mulheres encaram a Parada Gay como um movimento que deixou de lado o propósito de sua origem: o de lutar pelos direitos dos homossexuais.
“A história da Parada Gay é muito bonita, mas perdeu seu motivo original”, diz Lanna Holder. Para a pastora, há no movimento promiscuidade e uso excessivo de drogas. “A maior concepção dos homossexuais que estão fora da igreja é que, se Deus não me aceita, já estou no inferno e vou acabar com minha vida. Então ele cheira, se prostitui, se droga porque já se sente perdido. A gente quer mostrar o contrário, que eles têm algo maravilhoso para fazer da vida deles. Ser gay não é ser promíscuo.”
As duas pastoras vão se juntar a fiéis da igreja e a integrantes de outras instituições religiosas para conversar com os participantes da parada e falar sobre a união da religião e da homossexualidade. Mas Lanna diz que a evangelização só deve ocorrer no início do evento. “Durante [a parada] e no final, por causa das bebidas e drogas, as pessoas não têm condição de serem evangelizadas, então temos o intuito de evangelizar no início para que essas pessoas sejam alcançadas”, diz.
Leandro Rodrigues, de 24 anos, um dos organizadores da Parada Gay, diz que o evento “jamais perdeu o viés político ao longo dos anos”. “O fato de reunir 3 milhões de pessoas já é um ato político por si só. A parada nunca deixou de ser um ato de reivindicação pelos direitos humanos. As conquistas dos últimos anos mostram isso.”
Segundo ele, existem, de fato, alguns excessos. “Mas não é maioria que exagera nas drogas, bebidas. Isso quem faz é uma minoria, assim como acontece em outros grandes eventos. A parada é aberta, e a gente não coíbe nenhuma manifestação individual. Por isso, essas pastoras também não sofrerão nenhum tipo de reação contrária. A única coisa é que o discurso tem que ser respeitoso.”

Negação e aceitação da sexualidade

As duas mulheres, juntas há quase 9 anos, chegaram a participar de sessões de descarrego e de regressão por causa das inclinações sexuais de ambas. “Tudo que a igreja evangélica poderia fazer para mudar a minha orientação sexual foi feito”, afirma Lanna. “E nós tentamos mudar de verdade, mergulhamos na ideia”, diz Rosania. As duas eram casadas na época em que se envolveram pela primeira vez.
“Sempre que se fala em homossexualidade na religião, fala-se de inferno. Ou seja, você tem duas opções: ou deixa de ser gay ou deixa de ser gay, porque senão você vai para o inferno. E ninguém quer ir para lá”, diz Lanna.
A pastora afirma que assumir a homossexualidade foi uma descoberta gradual. “Conforme fomos passando por essas curas das quais não víamos resultado, das quais esperávamos e ansiávamos por um resultado, percebemos que isso não é opção, é definitivamente uma orientação. Está intrínseco em nós, faz parte da nossa natureza.”

Igreja Cidade de Refúgio

Segundo as duas mulheres, após a aceitação, surgiu a ideia de fundar uma igreja inclusiva, que aceita as pessoas com histórias semelhantes as delas. “Nosso objetivo é o de acolher aqueles que durante tanto tempo sofreram preconceito, foram excluídos e colocados à margem da sociedade, sejam homossexuais, transexuais, simpatizantes”, diz Lanna.
Assim, a Comunidade Cidade de Refúgio foi inaugurada no dia 3 de junho na Avenida São João, no Centro de São Paulo. Segundo as pastoras, em menos de 2 semanas o número aumentou de 20 fiéis para quase 50. Mas o casal ressalta que o local não é exclusivo para homossexuais. “Nós recebemos fiéis heterossexuais também, inclusive famílias”, diz Rosania.
Apesar do aumento de fiéis, as duas não deixaram de destacar as retaliações que têm recebido de outras igrejas através de e-mails, telefonemas e programas de rádio e televisão. “A gente não se espanta, pois desde quando eu e a pastora Rosania tivemos o nosso envolvimento inicial, em vez de essa estrutura chamada igreja nos ajudar, foi onde fomos mais apontadas e julgadas. Mas não estamos preocupadas, não. Viemos preparadas para isso”, afirma Lanna.
Fonte: G1

Ana Paula Valadão comenta sobre as mudanças no Diante do Trono

Ana Paula Valadão comenta sobre as mudanças no Diante do Trono
Falando poucos dias para a gravação de “Sol da Justiça”,  que será gravado em Natal, Ana Paula Valadão divulgou mais informações sobre as mudanças no ministério.
Através do seu blog, Ana Paula explicou um pouco mais sobre os motivos das mudanças do grupo. Em outro momento a cantora falou que a orquestra não participaria da gravação de “Sol da Justiça”, e desta vez usando a palavra de Eclesiastes 3 como base explicou sobre a nova formação do Diante do Trono.
Confira abaixo na íntegra o que Ana Paula Valadão escreveu:
Há tempo de nascer, e tempo de morrer;
Tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;
Tempo de derrubar, e tempo de edificar;
Tempo de chorar, e tempo de rir;
Tempo de prantear, e tempo de dançar;
Tempo de espalhar pedras e tempo de ajuntar pedras;
Tempo de abraçar e tempo de afastar-se de abraçar;
Tempo de perder, tempo de guardar;
Tempo de rasgar e tempo de coser;
Tempo de estar calado, e tempo de falar;
Tempo de amar e tempo de odiar;
Tempo de guerra e tempo de paz.
Tudo fez Deus formoso em seu devido tempo…
Eclesiastes 3
Queridos irmãos,
Cada dia que passa vou entendendo que a vida é mesmo feita de estações. Há tempos e tempos. Há épocas e épocas. E nada neste mundo é para sempre.
Por isso, tenho buscado apreciar cada tempo, vivendo intensamente a família, os relacionamentos, o ministério. Afinal, cada pessoa que temos ao nosso redor pode estar ao nosso lado apenas por aquele instante, e cada período de tempo que vivemos pode estar prestes a mudar, e tudo pode ser diferente.
Esta noite acordei algumas vezes para atender ao meu filho mais novo, Benjamim. Enquanto eu me levantava, cansada, exausta, mas tendo que cuidar dele, eu orava: “Senhor, ajuda-me a amá-lo intensamente nessa hora. Ajuda-me a passar por essa fase, esta estação de seu crescimento, que sei que vai mudar. Ajuda-me a curtir, a desfrutar de meus filhos pequenos”.
E é aprendendo assim, a curtir cada época, e a valorizar cada estação, que também percebemos que no DT um tempo acabou e outro novo se inicia.
Esses dias tive reuniões muito importantes. Foi o fim de um tempo lindo, e o início de outro, que cremos também que será formoso, pois vem das mãos do nosso Deus.
Lembro-me como se fosse hoje daquela viagem em 1997, quando meu pai enviou o Sérgio junto comigo para Nova Iorque. Eu iria participar no CD de um pastor amigo, Kevin Jonas, e meu pai o enviou para que, ao voltar, fizéssemos o mesmo em nossa Igreja local. Ali, cantei pela primeira vez para ele a música Diante do Trono, e o Sérgio a tocou em um piano, encorajando-me e acreditando em meu potencial. Minhas lembranças junto ao Sérgio, e junto à Soraya, sua esposa, são muitas, e mesmo anteriores a essa, pois fui dama de honra em seu casamento quando tinha apenas 10 anos de idade!
Lembro-me também quando chegamos desta viagem. Reunimos alguns músicos no apartamento do Sérgio e da Shô, e compartilhamos o sonho, o projeto, o desafio. Ao nos perguntarem sobre que músicas seriam gravadas, cantei aquelas primeiras composições. Foi então que a Luciene, esposa do Roney, disse: “Ah, então o nome do CD tem que ser Diante do Trono!”. E foi assim, em meio a amigos, a irmãos, de maneira tão linda, tão formosa, que nasceu um tempo… nasceu o Diante do Trono que conhecemos até aqui, nesses últimos 13 anos.
Sensíveis ao que Deus estava falando e fazendo, passamos por diversas mudanças dentro do grupo. Pessoas vieram, outras se foram. Carinho e amizades permaneceram. Sorrimos, choramos. Construímos e derrubamos. Procuramos obedecer a Deus em cada missão que Ele nos confiou, e nos ajustamos ao “novo” cada vez que o Vento soprou em uma nova direção.
Desde Setembro de 2010 assumimos o compromisso de nos dedicar mais em nossa Igreja local. Nasceu o sonho da Fábrica de Artes, com o alvo de levantarmos milhares e milhares de artistas adoradores das novas gerações que virão. Ao final do ano passamos por intensas mudanças com a saída de pessoas antigas no ministério. Helena e João Lúcio, Clay e Grazi, Jhonny Lacerda. A orquestra passou a fazer parte do louvor na Igreja, e não mais viajando com o grupo. Fomos percebendo que é chegado o tempo de uma nova geração também no DT. Tudo convergiu e nos impulsionou a tomar algumas decisões difíceis, mas muito conscientes de que é a vontade do nosso Senhor.
Devido às muitas tarefas e demandas, a partir de agora Sérgio Gomes se dedicará de tempo integral no Ministério de Louvor, e à Fábrica de Artes da Igreja Batista da Lagoinha. Estamos todos certos de que este é o tempo de Deus para isso, e, mesmo doendo pela despedida dentro do DT, nos animamos com os sonhos para o futuro, com as possibilidades de vermos milhares e milhares de artistas sendo levantados com coração adorador, e com um nível de excelência que venha impactar e brilhar neste mundo! Continuamos parceiros, trabalhando juntos em Lagoinha. Aliás, os músicos e cantores do DT são os músicos de tempo integral da Igreja, servindo como discipuladores das equipes que serão formadas, influenciando outros com seu exemplo e dom. Eu continuarei diretamente envolvida com o Sérgio, pois sou líder no Ministério de Louvor de Lagoinha. Há grandes expectativas no meu coração por tudo o que poderemos desenvolver neste novo projeto, e creio que Deus nos está dando o privilégio de sermos uma inspiração para muitas outras Igrejas locais.
Nosso querido contrabaixista, Roney Fares, já vinha servindo em Lagoinha há algum tempo. Além de ter sido um dos gerentes do DT quando tínhamos uma grande empresa distribuidora dos nossos produtos, ele também serviu no Conselho Gestor da IBL, sendo um conselheiro, um homem de confiança, e mais tarde assumiu a superintendência da TV Rede Super, que é um ministério de Lagoinha. Agora, um novo desafio vem às suas mãos, e sua dedicação maior no ministério em Lagoinha demanda mais de sua presença e dedicação. Ele também continuará tocando, pois o alvo é que todos os que são chamados para as artes na IBL, tenham esta oportunidade, e o Roney, sem dúvida alguma, poderá continuar exercendo este dom na sua amada Igreja, IBL.
É com sentimentos mistos que compartilho este novo tempo na equipe do Diante do Trono. Dói deixar fiéis companheiros de tantos anos seguirem por novos caminhos, diferentes dos nossos. Mas existe uma alegria no coração ao perceber que estamos todos unidos no propósito de continuar servindo ao Rei, e ao Seu Reino, não importando qual o batalhão ou frente de batalha em que estejamos. Somos parte do mesmo Exército. E o amor que nos une, a amizade que foi construída, a admiração, o respeito, as boas lembranças, levaremos para sempre em nossa história.
Convidei Daniel e Marine Friesen, contrabaixista e cantora, para fazerem parte da nova equipe DT. Hoje somos eu, Vinícius tecladista, Jarley e Elias na guitarra, Gaúcho na Bateria, Israel, Nóbrega, Roberta e Amanda no vocal. As vocalistas vão se revezando nas viagens, e nos grandes eventos conto com alguns cantores convidados, como Breno e Guilhereme Fares (filho do Roney). Na técnica temos o Tiaguinho e o André Espíndola. No Vídeo Tiago Espíndola, e na administração, Júnior. Somos hoje um pequeno escritório, com a Azenate, Cibelle, Pablo, Zaqueu e Flávio. Tudo bem menor, se comparado a tempos atrás, mas como disse o sábio “Há tempo para tudo… Tudo fez Deus formoso… em seu devido tempo”.
A partir de agora, conto com as orações de todos para este novo tempo no ministério. Creio que, assim como nos últimos 13 anos Deus fez tudo lindo e formoso, experimentaremos de Suas mãos fazendo novas e maravilhosas obras em nós e através de nós.
A serviço do Rei, e no Seu amor,
Ana Paula

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Pastores da Igreja Mundial são expulsos por denunciarem desvio de 3 milhões de dólares de dízimos e ofertas

Pastores da Igreja Mundial são expulsos por denunciarem desvio de 3 milhões de dólares de dízimos e ofertas
O bispo Juliano Marques expulsou da IMPD (Igreja Mundial do Poder de Deus) de Angola pelo menos três pastores angolanos porque eles teriam descoberto que os responsáveis pela igreja, todos brasileiros, desviaram para seus bolsos US$ 3 milhões (R$ 4,76 milhões) do dízimo e da venda de canetas e gravatas com poder de “cura divina”. A informação foi divulgada pelo semanário Agora e repercutiu em toda a imprensa angolana, como o site AngoNotícias [reprodução acima].
A IMPD abriu uma filial naquele país em meados do ano passado e se encontra instalada em um templo provisório em Luanda, a capital. A expulsão dos pastores ocorreu durante uma cerimônia religiosa.
O seminário publicou que os brasileiros estão aplicando o dinheiro do dízimo em negócios próprios em Angola e no exterior. Marques também estaria pagando por mês cerca de US$ 28 mil (R$ 44,4 mil) pelo aluguel de um casarão em Talatona, o bairro dos ricos de Luanda. O salário de um pastor angolano é 30 mil kwanzas, o que corresponde a U$ 344 ou a R$ 546.
Um angolano disse ao Agora: “A igreja se transformou em uma forma de enriquecimento familiar. Quase todas as semanas chegam brasileiros que regressam com os bolsos cheios”.
No AngoNotícias, um leitor comentou: “O governo angolano é tímido em agir perante estes casos, sobretudo perante aos brasileiros que vêm roubar o povo. [O governo] só olha os bandidos das ruas e esquecem os bandidos e diabos brasileiros que enganam os angolanos diariamente”.
A IMPD de Angola não se manifestou até agora sobre as acusações.
Marques substituiu em Angola o bispo Marcelo Paiva, que, por “amor à África”, abriu lá a sua própria igreja, a Sê Tu Uma Benção de Deus.
Fonte: Paulopes

Confira a repercussão da declaração do Pastor Ricardo Gondim dizendo que a volta de Cristo é uma utopia

Confira a repercussão da declaração do Pastor Ricardo Gondim dizendo que a volta de Cristo é uma utopia
O vídeo onde o pastor Ricardo Gondim ensina os pastores da Igreja Betesda que o Arrebatamento da Igreja é uma utopia causou revolta entre pastores e escritores de outras denominações.
Alguns chegaram a dizer que esse declaração prova que ele é realmente o herege da vez, título já concedido por outras declarações como negar a soberania de Deus sobre o mundo e também por defender o casamento entre pessoas do mesmo sexo.
O pastor Ciro Sanches Zibordi, que é editor e colunista do Christian Post chegou a dizer em seu blog que o líder da Betesda criou a escola “gondimista” que tem se revelado “antibíblica e relativista” ao defender o teísmo aberto, apoiar a união entre pessoas do mesmo sexo e também por não acreditar no Arrebatamento da Igreja.
“Como pode um pastor, que já foi um referencial de pregador no Brasil, ignorar as promessas do Senhor registradas em João 14.1-3 e Apocalipse 22.20?” Questiona o pastor Ciro.
Renato Vargens, escritor e pastor da Igreja Cristã da Aliança, também ficou inconformado com os dizeres do pastor da Betesda sobre a Volta de Cristo, uma das principais doutrinas cristãs que ele classificou como uma utopia, ou seja, algo que não vai acontecer.
O escritor pede aos seus leitores para que orem pelo pastor da Betesda, pois ele “brevemente se transformará em um falso profeta”, diz Vargens que confessa já ter admirado as palavras de Gondim em outros tempos.
Quem também manifestou sua opinião sobre os ensinamentos deste vídeo foi o pastor Leonardo Gonçalves, editor do blog Púlpito Cristão, que fez um pequeno resumo sobre a esperança dos cristãos pela volta de Cristo e citou alguns textos bíblicos que comprovam que Ele voltará.
Falando sobre a reunião de pastores da Betesda, Gonçalves escreve que o líder da denominação “enveredou de vez no terreno dos falsos profetas” principalmente ao citar uma obra de Jurgen Möltmann, considerado pelo editor do Púlpito Cristão como um escatólogo de linha liberal.
Essa “é a prova cabal de que Gondim há tempos deixou de beber nas fontes sagradas para embriagar-se das heresias de Charles Hartshorne, Jurgen Moltmann, Overback, etc. Gondim definitivamente trocou Jesus por Nietzsche, Paulo por Karl Marx, Pedro por Clark Pinnock e o céu pela terra,” escreveu Leonardo Gonçalves.
Fonte: Gospelprime

quarta-feira, 15 de junho de 2011

Pastor, pai de Katy Perry faz pregação sobre “o fardo de ter uma filha que não serve a Deus”

Pastor, pai de Katy Perry faz pregação sobre “o fardo de ter uma filha que não serve a Deus”
Pai de Katy Perry, pastor Keith Hudson falou em uma apresentação sobre “o fardo de ter uma filha que não serve a Deus.”
“Entendo o fardo de ter uma filha que não serve a Deus. Quando minha filha apareceu com a música ‘Eu beijei uma garota’ eu disse, ‘Meu ministério está acabado”, disse ele.
Segundo o New York Post, Keith Hudson falou no santuário da Igreja Kings Road, na periferia de Londres, sobre a sua história para a congregação. Ele disse que “satanás afastou sua filha, e ela caiu.” Mas que ele deve amá-la de qualquer maneira. “Devemos orar por ela.”
“Deus me beijou – e eu gostei!” citou ele parte da música de sua filha cantora pop Katy Perry com indignação durante a pregação.
Hudson, 63 anos, é reformado e dedicou quatro décadas para difundir o Evangelho, juntamente com sua esposa Mary, cruzando os Estados Unidos. Então eles se estabeleceram em Santa Barbara, Califórnia, e fundaram o Christian Center Oasis antes de se mudarem para a atual sede, a Igreja Life Christian, ao norte de San Diego.
Foi há quatro anos atrás quando sua filha tornou-se sensação da noite com a música “Eu beijei uma Garota” e Keith e Mary Hudson sentiram que tudo iria desabar.
Recentemente, Katy Perry fez um desabafo na revista Vanity Fair, falando sobre sua rigorosa educação cristã. Ela disse que não teve uma infância, acrescentando que sua mãe não leria qualquer outro livro para ela, além da Bíblia. Ela contou à Vanity Fair que houve um período em que sua educação estritamente Evangelística condenava duramente essa aparência sexualmente carregada, que ela exibe hoje em dia.
Perry foi primeiramente Katy Hudson quando veio a se tornar uma artista de música cristã, lançando um CD auto-intitulado em 2001 na idade de 16 anos pela Red Hill Records. Mas logo depois ela abandonou o nome e adotou Katy Perry e agora é uma sensação pop secular.
Keith urgiu a todos que orassem por seus filhos que não estão servindo a Deus. “Devemos orar por nossa família. Nós todos temos nossas cruzes para carregar. Se você tem um filho ou uma filha que não está servindo a Deus, apenas pare-se agora. Não fique constrangido. Nós os amamos. Eu amo Katy”, disse ele.

Magno Malta ameaça renunciar ao Senado se PLC 122 for aprovada e afirma que processará Jean Wyllys

Magno Malta ameaça renunciar ao Senado se PLC 122 for aprovada e afirma que processará Jean Wyllys
O pastor evangélico Magno Malta, parlamentar da frente da família, promete deixar o senado caso o PLC 122 seja aprovado, e interpelar judicialmente o deputado Jean Wyllys, durante entrevista a revista Comunhão.
O senador, que tem lutado contra a aprovação do projeto desde sua primeira proposta no ano de 2006, agora promete que se o projeto de lei for aprovado ele renuncia.
“Se o Projeto de Lei 122, que excita a criação de um terceiro sexo, for aprovado, com dignidade de cristão, renuncio do mandato de Senador da República”, afirmou ele em tom de descontentamento.
Para o senador Magno Malta, “criar castas, mudar costumes enraizados pela própria natureza e proteger a minoria com privilégios são fatos reais que ferem a justiça social em toda conjuntura”.
O projeto tem sido tema de grande impasse no governo, em que segundo os deputados evangélicos, fere a constituição, indo contra os direitos de liberdade de expressão e religiosa.
Malta também afirmou que vai interpelar o deputado do PSOL, Jean Wyllys, alegando que ele o acusa de ser de “má fé” ao relacionar o homossexualismo com a pedofilia.
“Nunca afirmei tal comparação. Pelo contrário, defendi o Vaticano mostrando a realidade dos fatos como comportamentos distintos e sem relação na grande maioria das vezes”, afirmou Magno Malta, que presidiu a CPI da Pedofilia.
O senador presidente da Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira disse que “preconceito é cegueira moral, não aceito nem a intolerância e conceito imparcial.”
“Não estou legislando em causa própria, mas no mais legitimo dever de defender a família estruturada, o futuro de uma geração e de forma geral a vida na sua essência divina”.
De acordo com a pesquisa encomendada recentemente pelo Ministério da Educação, a polêmica da homossexualidade incomoda 87% da população. A grande maioria não aceita mudanças radicais no comportamento da sociedade.
“Por isso, em defesa dos verdadeiros valores agregados no coração da família brasileira, renunciarei meu mandato se a PL 122 for aprovada”, finalizou Magno Malta.

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Diante do Trono 14: Novas músicas e e período de consagração para o novo trabalho

Diante do Trono 14: Novas músicas e e período de consagração para o novo trabalho
Durante o culto da manhã do dia 29 Ana Paula Valadão apresentou novas músicas do Diante do Trono que serão gravadas em Natal no dia 16 de Julho.
As músicas são “Hosana”, “Meu Coração” e “A Ti a Honra”.
Além disso, Ana Paula Valadão escreveu em seu blog o início de um propósito de 40 dias de jejum e consagração até a gravação em Natal. No mesmo post ela diz que Deus tem direcionado o trabalho a liberar a cura as pessoas presentes:
nesta gravação do DT 14 percebo que Deus deseja liberar cura. O texto de Malaquias 4:2,6, que inspirou a canção específica para Natal, conhecida como “cidade do sol”, fala de cura. E é interessante ver a conexão entre a cura para a Terra associada à cura das famílias.
“Mas sobre vós que temeis o meu nome nascerá o Sol da Justiça, trazendo cura em Suas asas…converterá o coração dos pais aos filhos e dos filhos aos pais, para que eu não venha e fira a Terra com maldição”.
Quando pensamos na nação e seus desafios, uma das maiores transformações que precisamos ver é nas famílias. Afinal, caráter, honestidade, dignidade, respeito, consciência de coletividade, de amor ao próximo, são formados, ou não, dentro do lar (seja ele evangélico ou não!). Esses valores são passados de pais para filhos, geração após geração. Os conceitos que regem uma sociedade começam dentro da família. Se temos autoridades corruptas, não imaginemos que eles são uma “raça” à parte. São gente como nós, são nosso povo, são reflexo de nossa sociedade, que é corrupta em todos os níveis. Por isso na família, pode acontecer a ruína e também a cura de toda uma nação.
Fonte: Gospel+
Com informações de Portal DT

Cristão é condenado a 5 anos de cadeia por falar de Jesus para o vizinho

"Infelismente meus irmãos, em muitos países não é lícito falar de Jesus, e muitos ainda reclamam do Brasil"


Cristão é condenado a 5 anos de cadeia por falar de Jesus para o vizinho
A Justiça da Argélia condenou o cristão Siagh Krimo a 5 anos de prisão por tentar converter um vizinho muçulmano, que se sentiu insultado e deu queixa na polícia.
Ex-colônia francesa, a Argélia fica na África do Norte e tem cerca de 33 milhões de habitantes. No país, há liberdade religiosa, mas a sua Constituição define o islã como uma das características da identidade do povo.
Krimo é casado e tem filhos. Ele tem dez dias para recorrer da condenação.
O que complicou a situação, segundo as agências de notícias, foi a acusação do muçulmano de que o proselitismo religioso incluiu ofensa ao profeta Maomé. O cristão nega.
No código penal argelino há um artigo que considerada como criminoso quem “insultar o profeta” ou “denegrir o credo e preceitos do Islã”.
Aidan Clay, do ICC (International International Christian Concern), disse que condenação de Krimo é mais uma consequência do endurecimento da perseguição aos cristãos.
“Cristãos argelinos foram atacados nas últimas semanas, e as leis têm sido cada vez mais aplicadas para discriminá-los”, disse.
Fonte: Paulopes

Marta Suplicy, Senador evangélico Marcelo Crivella e líder da Associação de Gays se reunem e criam novo texto da PLC 122

Marta Suplicy, Senador evangélico Marcelo Crivella e líder da Associação de Gays se reunem e criam novo texto da PLC 122
Os senadores Marta Suplicy (PT-SP), Marcelo Crivella (PRB-RJ) e Demóstenes Torres (DEM-GO) reuniram-se na tarde desta terça-feira (31) para discutir uma alternativa ao texto do PLC 122/2006, que criminaliza a homofobia. O novo texto, resultante do acordo feito na reunião, está sendo escrito e será divulgado após a aprovação dos senadores e do presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT), Toni Reis, que também participou da reunião.
De acordo com a relatora do texto na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), Marta Suplicy, uma das principais mudanças será no artigo que pune a discriminação ou preconceito pela orientação sexual. A nova redação, segundo a relatora, vai prever punição apenas àqueles que induzirem a violência.
- O projeto contemplou a todos os que estavam ali: o Toni Reis, da ABGLT, o senador Demóstenes, que queria dar constitucionalidade ao projeto, e o senador Crivella, que queria a proteção aos pastores e à liberdade de expressão – explicou a senadora.
O ponto que causou a maior polêmica na discussão do projeto foi a liberdade de expressão dos religiosos, que alegavam que qualquer manifestação contra a homossexualidade poderia ser caracterizada como discriminação ou preconceito. Uma emenda chegou a ser acrescentada pela relatora ao texto para garantir essa liberdade, mas o projeto acabou retirado da pauta da CDH no último dia 12 para maior discussão.
De acordo com Crivella, não é necessário prever no projeto a punição à discriminação contra os homossexuais porque isso já é contemplado no Código Penal, com a previsão do crime de injúria. Segundo o senador, o novo texto está sendo elaborado com base em uma proposta alternativa de sua autoria, que puniria a discriminação em hipóteses especificadas.
- Qualquer discriminação de acesso ao comércio, de direito no trabalho ou qualquer ato de violência praticado contra a orientação sexual seria punida pela lei – explicou o senador.

Discordâncias

Crivella afirmou que o projeto em discussão é novo e que poderá “enterrar” de vez o PLC 122.
- Acredito que a gente consiga enterrar o PLC 122. Eu tenho firmes esperanças de que nós vamos enterrá-lo a sete palmos. Tenho esperança também de que possamos fazer uma lei boa como essa que eu propus, que não é uma lei só para o homossexual. Ela também pune os crimes contra heterossexual – explicou.
Marta Suplicy, no entanto, disse que o texto não representa um novo projeto, e sim alterações ao PLC 122 nos pontos em que havia maior resistência.
- Eu pedi para ele [Crivella], em homenagem à [ex-deputada] Iara Bernardi, que fez o projeto original, e à [ex-senadora] Fátima Cleide, que ficou cinco anos aqui no Senado, que mantivéssemos o projeto original com todos os adendos, tirando algumas coisas que eram do original. Isso eu acho que foi contemplado.

Aumento de penas

Ainda segundo a senadora, por sugestão de Demóstenes e Crivella, o novo texto vai incluir o aumento de penas para crimes já previstos no Código Penal, como homicídio e formação de quadrilha, quando resultantes de atos contra a orientação sexual. Marta disse que o texto está sendo colocado em “palavras jurídicas” e que representará um grande avanço, se houver consenso.
- Comemorar, só na hora que eles olharem a redação final e concordarem, mas acho que o avanço foi extraordinário e eu estou muito feliz – concluiu.

ALVO MAIS QUE A NEVE


"Quem subirá ao monte do SENHOR, ou quem estará no seu lugar santo? Aquele que é limpo de mãos e puro de coração, que não entrega a sua alma à vaidade, nem jura enganosamente." Salmos 24:3-4  
Um dia um jovem pregador estava acompanhando um grupo de pessoas que visitavam uma mina de carvão. 

Na entrada de uma das escuras passagens, ele avistou uma bela flor branca, rodeada de uma terra bem preta. 

"Como pode uma flor com tamanha pureza e esplendor crescer em uma mina tão suja?" perguntou o pregador. 
"Lance um pó de carvão sobre ela e veja por si mesmo," respondeu o seu guia. 

Ao fazer o que o guia havia mandado, ficou bastante surpreso ao ver que as partículas finas de fuligem deslizaram sobre as pétalas brancas deixando a flor tão linda e pura como antes. 

Sua superfície era tão lisa que a sujeira não podia aderir a ela. 
 
Que bom seria se a vida de todos nós, cristãos, fosse tão pura e inatingível pela fuligem do pecado que contamina todo o mundo. 
Quão alegre ficaria o nosso Salvador se o nosso relacionamento com Ele fosse tão íntimo a ponto de estarmos imunes à tentação que a todo tempo nos assola. 
 
O local em que vivemos seria muito mais encantador se o nosso testemunho fosse capaz de iluminar o ambiente mesmo que tudo o mais estivesse mergulhado em densas trevas. 
Quando Cristo entra em nosso coração, transforma o nosso interior e as nossas atitudes são modificadas. 
 
Temos uma nova maneira de viver e o Senhor espera que contaminemos tudo ao redor com o Seu amor e a Sua paz. 
A alegria verdadeira que passamos a desfrutar nos impulsiona a querer compartilhar a bênção recebida com todos que encontramos. 
 
Aqueles que se deixam purificar pelo Senhor estão livres da fuligem do pecado e embelezam e perfumam o local por onde passam.

PROTEJA SEU CASAMENTO

Proteja seu casamento.jpg 

Muitas vezes um casamento vai bem, e acaba abalado por causa de um relacionamento inesperado com uma terceira pessoa. Começa de maneira inocente e agradável, torna-se cada vez mais envolvente. Por fim, traz complicações e desgraças para muita gente.

Não foi um acidente ou "um grande amor que surgiu". Foi um relacionamento do qual o casamento deveria ter sido protegido. Não seja ingênuo pensando que isto só acontece com os outros. Muita gente boa já caiu exatamente por ser ingênua assim. Lembre-se de 1 Coríntios 10.12. Por isso, proteja seu casamento... Eis algumas dicas:
Tenha bom senso com suas companhias
Evite gastar tempo desnecessário com alguém do sexo oposto. Muitos casos surgem por não se agir assim. Um executivo precisa de aulas particulares de inglês e contrata uma jovem professora. Contrate um homem. Não significa que cada contato com alguém do sexo oposto seja porta para o adultério. Significa evitar oportunidades para cair. Companhia contínua cria intimidade. Intimidade com o sexo oposto traz problemas.
Tome cuidado com as confidências
A pessoa mais íntima de alguém deve ser seu cônjuge. Segundo a Bíblia, são “uma só carne”, isto é, uma só pessoa. Se há aspectos de seu relacionamento que você não pode compartilhar com esposo(a) e compartilha com alguém do sexo oposto, a coisa está ruim. As pessoas tendem a se solidarizar com quem sofre e a proximidade emocional se torna perigosa. Um homem que se queixa de sua esposa para outra mulher está traçando um caminho perigoso. Isto vale para quem faz e para quem ouve confidências.
Evite momentos a sós
Decida não ter momentos privados com alguém do sexo oposto. Se um(a) colega de trabalho pedir para ter um almoço com você, convide uma terceira pessoa. Se necessário, não se constranja em compartilhar os limites que você e seu cônjuge concordaram ter no seu casamento. É melhor ser visto como rude que vir a cair em pecado.
Vigie seus pensamentos
Cuidado com o que pensa. Se você só se detém nos defeitos de seu cônjuge, qualquer outro homem ou mulher parecerá melhor. Faça uma lista das coisas que inicialmente lhe atraíram em seu cônjuge. Aumente o positivo e diminua o negativo. Evite filmes, conversas, sites e literatura que apologizam o adultério. Lembre de Colossenses 3.2.
Evite comparações
Um homem trabalha com uma mulher perfumada, maquiada, bem vestida. Em casa encontra a esposa, com criança no colo, cabelo desfeito, banho por tomar. Uma mulher encontra um homem compreensivo com quem pode se abrir, e se sente mais à vontade com ele do que com o esposo. Ignoraram situações e contextos diferentes. Foram iludidos pelo irreal. Lembre-se do pródigo: o mundo lhe era fascinante, mas terminou num chiqueiro. As aparências iludem, porque o mundo em que vivemos em casa é o real. O mundo de relacionamentos fora de casa é sempre artificial.
Evite a síndrome do retorno
É a idéia de que a vida sentimental e sexual caiu na rotina, e agora, a pessoa “renasceu”. Já vi inúmeros casos assim: “Eu renasci”, ou “Eu me senti jovem de novo”. Não banque o adolescente. Você é um adulto com responsabilidades e com uma pessoa com quem partilha a vida. Construa sua vida com seu cônjuge. Se sua vida conjugal se “fossilizou”, há outros caminhos. Revigore-a com seu cônjuge. Há pessoas que sempre se fossilizam e pulam de relacionamento em relacionamento, procurando o que não produzem. Temos o que produzimos.
Ponha seu coração no seu lar
A solidez do casamento vem pelo tempo que os cônjuges gastam juntos. Conversas, risos, passeios, programas comuns. Se você não sai com seu cônjuge, marque datas para os próximos meses. Vocês devem ter um ao outro como o melhor companheiro. Mantenham o clima de namoro: querer estar junto com a pessoa. Orem juntos. Dificilmente duas pessoas que oram juntas brigarão entre si. Sejam parceiros espirituais.
Invista em seu cônjuge
O marido da mulher virtuosa é conhecido quando se levanta em público (Pv 31.23). A idéia é que ele está bem vestido e vê o caráter dela pela roupa dele. Uma boa esposa é um bom tesouro (Pv 18.22). De bom tesouro cuida-se e evita-se perdê-lo. Marido: mulher bem tratada é um grande investimento; o retorno emocional é garantido. Mulher: marido bem tratado é um grande investimento; o retorno emocional é garantido.
Busque ajuda
Havendo problemas, busque ajuda. Primeiro em Deus. Lembre-se de Tiago 1.5. Busque orientação de pessoas mais experientes ou de seu pastor. Evite que o problema se avolume. Evite conselhos de gente que não tem o que dizer. Os amigos de Roboão lhe deram maus conselhos (1Rs 12.6-12). Nesta busca de ajuda, evite por mais lenha na fogueira. Evite também raiz de amargura (Hb 12.15). Busque ajuda e não um juiz a seu favor.
Conclusão
Bons casamentos não acontecem por acaso. São produtos de muito trabalho e da graça de Deus. Boa parte do trabalho é investimento emocional no relacionamento conjugal. “Vender a alma” para o cônjuge. Mas investir sem proteger é problemático. É preciso levantar cercas contra os problemas externos, porque os internos são mais vistos e os dois os vivenciam. Não permita brechas. Não dê armas ao inimigo.