Me acompanhe pelo e-mail

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Pais, cuidado com as preferências

 

Gn.32:26-30 “Então o homem disse: Deixa-me ir pois já rompeu o dia. Porém Jacó respondeu; Não te deixarei ir, se não me abençoares. Perguntou-lhe o homem. Qual é o teu nome? E Jacó respondeu: Jacó. Então o homem disse: Não te chamarás mais Jacó, mas Israel, porque lutaste com Deus, e com os homens, e prevaleceste. Perguntou-lhe Jacó: Dize-me, peço-te o teu nome. Mas o homem respondeu: Por que perguntas pelo meu nome? E ali o abençoou. Jacó chamou aquele lugar Peniel. Pois disse. Vi a Deus face a face e a minha vida foi poupada”. Jacó e Esaú à muito não se viam, porque Jacó recebera a benção da primogenitura no lugar de Esaú, enganando o seu pai, que era avançado em idade e de pouca visão, se fazendo passar por seu irmão Esaú.

De fato esta briga começou quando seus pais começaram a ter preferências pessoais, pois cada qual tinha o seu filho preferido. O filho do coração. Veja o que está escrito em Gn.25:28 – “Isaque , que tinha gosto pela caça, amava a Esaú, mas Rebeca amava a Jacó”. Embora gêmeos Esaú e Jacó eram fisicamente diferentes e Esaú por ser o primogênito tinha o seu direito garantido por lei, porém insensatamente trocou este direito da primogenitura por um guisado de lentilhas que o irmão prepara. Foi o suficiente para não receber os créditos da benção paterna que viria mais tarde. Bom a história nos mostra que Jacó foi super abençoado pelo pai já velho e que mal enxergava, enquanto que Esaú reteve as menores bênçãos. Deste fato resultou a briga entre ambos e fez com que Esaú odiasse a seu irmão a ponto de querer matá-lo. Jacó passou os seus dias longe dos olhos de seu irmão Esaú em terras de parentes. E agora depois de anos a possibilidade do reencontro e de fazerem as pazes, seria algo mais real do que nunca. Deus havia preparado Jacó nas terras para a qual havia ido e foi justamente depois de alguns anos distante, que este toma a iniciativa de encaminhar presentes e coloca a sua família na frente para o encontro de seu irmão. Jacó teve uma de suas experiências com Deus mais fantásticas que a Bíblia apresenta.

A Bíblia nos diz no verso 24 do capítulo 32 que: “Jacó ficou só e lutou com ele um homem até o romper do dia” quando o homem viu que não prevalecia contra ele, tocou-lhe a juntura da coxa e a deslocou. O homem queria ir, porém Jacó lhe disse, que não poderia deixá-lo até receber a sua benção. A seguir este muda o nome de Jacó para Israel e aquele lugar passa a se chamar Peniel. Queridos internautas. Depois deste relato bíblico que aconteceu a séculos atrás eu gostaria de chamar-lhe a atenção para algumas lições que por certo vão ajudá-lo(a) em sua caminhada cristã em família.

1.NOSSOS FILHOS DEVEM SER AMADOS DE IGUAL FORMA

Este foi justamente um dos motivos pelos quais os irmãos chegaram a ponto de brigas, discórdias e ódio, tendo inclusive de separar-se geograficamente, para que o pior não viesse acontecer. Isto, devido a insensatez por parte de seus pais em se afeiçoarem em extremo cada qual à sua preferência. Isaque amava Esaú e Rebeca amava Jacó. Os filhos devem ser amados de igual forma.

Os pais devem amá-los, mesmo que as personalidades, sexo ou outras qualidades criem elos de identificação diferenciados. Devem procurar estabelecer parâmetros quanto aos exageros preferências que podem com certeza trazer sérios problemas de ordem emocional, psíquica e comportamental na vida deles. Por mais difícil que possa ser os pais devem procurar amá-los de igual forma. Este amor deve ser traduzido não somente na base de declarações amorosas, como também em atividades práticas, que justifiquem com cada um deles o espaço de aproximação que se faz necessário. Em outras palavras. Deve-se procurar amadurecer na idéia de não acumular benefícios e elogios em relação a um filho em detrimento do outro. Os nossos filhos devem se sentir amados, protegidos, respeitados, seguros e tranqüilos em relação ao amor que temos para com eles.

2.NOSSAS INFLUÊNCIAS, NOSSOS SONHOS E REALIZAÇÕES PESSOAIS NÃO PODEM PREJUDICAR O FUTURO DE NOSSOS FILHOS.

A segunda lição que tiramos desta história é que os pais devem ter o equilíbrio necessário para não frustrar o futuro de seus filhos. Devemos tomar cuidado para não colocar expectativas pessoais em cima deles a ponto de se tornar um fardo e nunca devemos instigar um filho contra o outro dentro de suas qualidades e anseios.

No verso 5 do capitulo 27 encontramos Rebeca tramando um plano para beneficiar o seu filho amado e o que teve deste a conivência. Queridos, como pais a nossa influência deve ser sempre na direção da unidade, do amor, do entendimento, das coisas certas, em relação aos nossos filhos, do que é melhor para eles e isto devemos fazer com temor e tremor diante de Deus, principalmente quando estes estão debaixo de nossa guarda, de nossa proteção e cuidados. Tomar partido ou estabelecer situações de engano, de maldade, pode trazer grande sofrimento às partes envolvidas e também à toda família. Se você observar a trajetória da vida de Rebeca, você vai notar, que ela pagou um preço tremendamente caro com esta tramóia. Seus filhos passaram não se relacionarem direito e Jacó que era o filho amado, devido as intenções maldosas do irmão teve que ir morar com Labão, seu tio. Rebeca, desde que seu filho partiu nunca mais ela pois seus olhos nele.

3. O PERDÃO SEMPRE SERÁ O MEIO PELO QUAL QUALQUER RELACIONAMENTO PODE VOLTAR AO SEU CURSO NORMAL

Este ao meu ver foi uma experiência gratificante, porem marcante na vida principalmente de Jacó. Depois de anos, resolve enfrentar a situação de frente, reconhecendo que falhou, que pecou e que precisava do seu irmão novamente. A Bíblia nos fala dos preparativos que Jacó fez e de como preparou presentes e mais presentes na esperança de aplacar a ira do irmão Esaú, porém o que ele não podia prever era a sua experiência pessoal, a sua guerra intima que teria, em que o personagem do qual estava presente lutando com ele seria a presença do Senhor. Isto mesmo. A Bíblia diz que: Jacó estava só na sua angustia, porque pecado não confessado traz conseqüências, traz peso, traz insegurança, trás receios, justificativas. E agora aparece alguém que se apresenta para lutar com ele e a Bíblia fala que por uma noite lutavam e Jacó prevalecia. Prevalecia, porque queria a benção, queria com toda a sua força reatar novamente o elo quebrado. Seu coração estava apreensivo, porém era decisivo ganhar aquela batalha. Prevalecer para ser abençoado. Nem mesmo recebendo um deslocamento em sua coxa, Jacó foi imbatível. Ele não se esmoreceu. Ele sabia o que tinha que fazer para que a benção fosse total. E foi exatamente isto que aconteceu Ele saiu vitorioso da peleja. Agora estava pronto para o encontro. No seu coração agora existia paz, não ódio. Não existia ressentimento e nem medo. A vitória estava garantida.

Se você ler o capitulo 33 você verá que ambos se entendem se perdoam e são amigos novamente. Amigo(a) que está lendo esta mensagem. Quem sabe você está vivendo um drama semelhante. Por causa de conflitos, de ciúmes, brigas, inveja, de desencontros. Amado(a), que Deus te posicione para a melhor decisão neste dia. Deus o(a) abençoe...

Nenhum comentário:

Postar um comentário