Me acompanhe pelo e-mail

segunda-feira, 25 de março de 2013

Obama defende criação do Estado Palestino e a Casa Branca divulga mapa em que Jerusalém não pertenceria a Israel

 

Obama defende criação do Estado Palestino e a Casa Branca divulga mapa em que Jerusalém não pertenceria a Israel

 

As disputas por território entre Israel e a Autoridade Palestina levaram a Casa Branca a publicar um mapa em que a cidade de Jerusalém, Samaria e as colinas de Golã não fazem parte do território israelense.

O equívoco foi notado quando a sede da administração do governo norte-americano divulgou um vídeo explicativo sobre a viagem do presidente Barack Obama a Israel e a assentamentos palestinos.

No mapa, as Colinas de Golã seriam parte da Síria, Jerusalém é descrita como parte da Cisjordânia (território palestino, mas ocupado por Israel) e o norte de Israel é mostrado como parte do Líbano, segundo informações do WND.

Analistas políticos internacionais interpretaram a divulgação como forma de posicionamento do governo norte-americano, antigo aliado de Israel, a respeito da polêmica em torno da criação do Estado Palestino e da definição de seu território.

Barack Obama tem se posicionado a favor do reconhecimento da Organização das Nações Unidas ao povo palestino como uma nação estabelecida: “Os palestinos merecem ter seu próprio Estado [...] Os Estados Unidos estão completamente comprometidos para ver um Estado da Palestina independente e soberano”, afirmou o presidente norte-americano durante a visita feita à Cisjordânia nesta semana.

Para Obama, é possível que os dois povos convivam em harmonia, e que Israel e Palestina formem dois Estados independentes e ocupem a disputada área lado a lado, e defendeu esse argumento durante um encontro com autoridades israelenses: “Não é justo que uma criança palestina cresça sem ter um Estado seu [...] Nem a ocupação nem a expulsão são a resposta [...] Ponham-se no lugar deles. Tentem enxergar através de seus olhos”, afirmou o presidente, de acordo com informações das agências internacionais.

Por Tiago Chagas, para o Gospel+

Nenhum comentário:

Postar um comentário