Me acompanhe pelo e-mail

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Fome pode matar até 750 mil na Somália, diz ONU

 
 
Bay se torna sexta região do sul do país onde, segundo a organização, população enfrenta crise de fome

iG São Paulo | 05/09/2011 12:19

 

 

Foto: AP

Família enterra criança em Mogadíscio, na Somália

A Organização das Nações Unidas (ONU) declarou crise de fome em mais uma região da Somália e afirmou que até 750 mil pessoas podem morrer nos próximos quatro meses se a situação não melhorar. Com a inclusão de Bay, sobe para seis o número de áreas do país consideradas zonas de fome.

Segundo o analista chefe da Unidade de Análise em Segurança Alimentar e Nutrição da ONU, Grainne Moloney, centenas de pessoas estão morrendo diariamente no sul da Somália – principalmente crianças. “O índice de submutrição (entre crianças) na região de Bay é de 58%. É um índice recorde”, afirmou.

Moloney disse esperar que outras duas regiões no sul da Somália também tenham crise de fome até o final do ano.

Segundo a ONU, mais de quatro milhões de somali precisam de ajuda alimentar, o equivalente a 53% da população.

As agências de ajuda humanitária só conseguiram entregar alimentos para 1 milhão daqueles em necessidade porque o grupo rebelde Al-Shabab, filiado à A-lQaeda e que controla grande parte da região sul do país, não permitiu a entrada das equipes. A crise de fome ocorre quando dois adultos ou quatro crianças por grupo de 10 mil pessoas morrem de fome a cada dia e 30% das crianças são seriamente desnutridas.

As estimativas indicam que mais de 10 milhões de pessoas no Leste da África foram afetadas por uma das maiores secas dos últimos 50 anos, que levou dezenas de milhares de somalis a tentar fugir para Quênia e Etiópia.

Com Reuters

Nota: Enquanto estiver em evidência esta situação, nós como igreja de Cristo, precisamos fazer algo…não podemos nos silenciar diante de tamanha desigualdade social, enquanto se gasta bilhões com copas do mundo, campeonatos de futebol, olímpíadas, pessoas morrem de fome e de sede. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário